Categorias

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A VIDA E O "CTRL+Z"

Eu tenho 34 anos, e já fiz esse exercício algumas vezes pensando em escrever sobre este assunto e de novo hoje, não o fiz desejando que fosse verdade, mas sim para ter mais sensibilidade no contexto do que vou  digitar aqui. Quando comecei conhecer um pouco mais o mundo da informática, lá pelos idos de 1996, me lembro que uma das coisas que aprendi muito rápido foi a usar o "CTRL+Z".
Hoje eu dou aula de informática e acontece quase todos os dias, o aluno fez alguma coisa que não era para ser feito daquele jeito e quando eu chego e vejo que há algo errado, algumas vezes não consigo me segurar e acabo desfazendo o erro usando essa função e sempre ouço a pergunta: Mas o que você fez como você fez para voltar tudo ao normal tão rapidinho? me mostra como faz isso!!! É meio automático, depois que aprendemos a usar o "CTRL+Z", passamos a usá-lo muitas vezes durante o uso do computador. Agora imagine uma função "CTRL+Z" na vida, imagine que assim como no Word e no Excel..., você possa se arrepender até 100 vezes, desfazer algo que não deu certo e, fazer de novo com o objetivo de acertar, de melhorar o resultado. Tá, eu vou complicar um pouco, pois como eu trabalho com informática, vou descrever algumas particularidades e aplicar nesta vaga idéia de ter um "CONTROL Z" para usar em nosso cotidiano.
Primeiro tem a limitação, no software são 100 arrependimentos a cada documento, na vida seriam 100 chances de "desfazer" durante toda a vida, ou seja, seria preciso escolher muito bem do que se arrepender a ponto de desfazer para fazer de novo. No Word, você pode se arrepender de praticamente qualquer coisa, errou, use o "CRTL+Z" é muito útil, facilita muito sabe, só que o Word é um editor de texto e qualquer um que fez faculdade ou simplesmente gosta muito de escrever domina bem o Word e sabe que ele é relativamente fácil de usar, já o Excel, não é difícil, só um pouco mais complexo, planilhas, cálculos, e coisas que não fazem lá o gosto de todo mundo. O que talvez nem todos saibam, é que enquanto no Word, o "CRTL+Z" funciona bem e é muito útil, no Excel é diferente, não da pra se arrepender de tudo no Excel, no Access então nem se fala. No Photoshop o "CRTL+Z" não funciona justo quando o arrependimento é grande, no Corel Draw ele funciona algumas vezes, mas o melhor mesmo é aprender a não contar muito com ele, eventualmente uso alguns programas para edição de áudio, como o Samplitude e o Sound Forge e esses programas também não aceitam bem os arrependimentos do usuário, comecei a me aventurar na edição de Vídeo e quer saber, quanto mais complicado o software, menos você deve contar com o tal recurso.
O complicado é que ficamos dependentes do tal recurso, o exercício ao qual me referi no início deste post é o seguinte; imagine se cada um de nós tivesse a chance de usar um recurso parecido só três vezes? É claro que você que é leitor ou leitora deste blog já tinha entendido isso né, só que você talvez tenha achado muito complicado imaginar 100 situações em que você voltaria atrás e faria de novo. Então tente imaginar só três.
Eu pensei, por exemplo, que voltaria alguns anos no tempo e não teria me deixado abater quando a professora da 4ª série disse que eu era batata podre no meio das outras crianças, ela não soube lidar comigo e eu escolhi matar aulas para assistir os desenhos do Show da Xuxa na Eletrônica Rio de Janeiro, voltaria atrás e contaria a minha mãe o que a professora disse, pediria a ela que fosse até a escola e reclamasse com a direção sobre a professora, mas quando minha mãe e meu pai souberam, já era tarde, eu já tinha perdido o ano letivo e então resolveram que eu pararia de estudar naquele ano, parar de estudar nunca é a opção correta, não mesmo.  2 - Voltaria a 1997 e aceitaria o conselho do Roger Lovato, aprender sobre o mundo Linux e Unix, creio eu que teria feito muita diferença na minha vida, até agora já foram dois usos do recurso, um lá pela metade da década de 80, outro há uns 14 anos atrás. O terceiro é mais recente, é mais dramático e eu não vou citar o nome de ninguém, aconteceu a pouco tempo, o ano era 2008, em dezembro, eu deixaria o Titanic passar por mim, não me deixaria seduzir pela beleza e por um capricho que me fazia lembrar que eu sempre quis embarcar nele e descobrir "como seria se fosse", ignorando que minha voz interior e pessoas que gostam de mim tinham me avisado que estava tudo pronto para afundar, mas não dei ouvidos e me machuquei um monte, não foi bom. Veja bem, seja por três ou 100 vezes, era preciso ter cuidado ao usar este recurso, pois, por exemplo, eu já teria usado minhas três oportunidades e creio eu, ainda tenho muita vida pela frente e tenho certeza que alguns que estão lendo este texto quando viram que eu diminui o número de vezes para três, tenham parado o texto e imaginado junto comigo as três vezes que usaria o "CRTL+Z", e olha que eu gosto de afirmar para as pessoas que prefiro me arrepender de ter feito, do que não fazer e ficar imaginando como seria se eu tivesse feito. Pois é, a imaginação da gente viaja e vai longe né, se eu fosse imaginar de novo três vezes, mudaria uma ou talvez duas dessas descritas acima, você já assistiu o filme "O Efeito Borboleta"? só o primeiro tá, ao terminar este texto me lembrei do filme, Evan tenta voltar no tempo e tomar decisões diferentes, só que cada vez que ele tenta consertar as coisas, o caos de alguma forma toma conta de algum momento da vida dele. A vida não tem "CRTL+Z" e para terminar este post, eu vou usar uma frase muito conhecida. "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim."

Nenhum comentário: