Categorias

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

SOBRE O FIM DE SEMANA EM CURITIBA

Ver o Roberto Cantando foi só uma pequena parte do passeio...
Gostei muito da cidade, apesar de não ter conhecido um terço do que é realmente uma grande cidade como a nossa bela capital. Impossível, não pensar e fazer planos de se estabelecer por lá, é quase impossível, bom pelo menos para mim foi. As pessoas de Curitiba são bem diferentes, se aqui em Maringá vemos um casal ou outro cheio de piercings pelo rosto e com o cabelo esquisito, lá essas pessoas são encontradas em proporção bem maior, mulheres com tatuagens a mostra são a coisa mais comum, ao chegar lá por volta de 00h30minmin., quando entrei no saguão do Hotel, já dei de cara com um funcionário fumando mesmo diante de uma placa indicando que não era permitido fumar naquele ambiente, quem me conhece sabe o repúdio que tenho dessa coisa nojenta que é o cigarro, e fiquei com a impressão de os Curitibanos fumam mais do que os Maringaenses, bom, depois de me registrar, subi para o quarto 206, bacaninha, nada de luxo, mas o suficiente para uma ou duas noites, passava de 01h30minmin. quando desci para ir até a Farmácia comprar Dorflex, a dor e vermelhidão do meu dedo polegar direito, me obrigaram a ir a farmácia de madrugada, só demorei um pouco mais para sair, quis terminar de assistir uma entrevista muito engraçada que foi ao ar no Jô, o ator Eduardo Sterblitch é um cara muito engraçado, foi viado até descobrir o que um viado fazia, ai não topou a idéia. No sábado eu dormi até por volta de 10h30minmin., eu só tinha conseguido pegar no sono depois das 3hs da manhã, no saguão do hotel me indicaram a "Ponto Sette" uma Churrascaria na Alameda Dr. Murcy, mesma rua que fica o Hotel Ouro Verde, local onde eu me hospedei, após almoçar, sai andando pela cidade, e meio sem querer cheguei a praça Generoso Marques, também conhecida como Praça Riachuelo, descobri que no sábado começou em Curitiba um evento chamado Virada Cultural, organizado pelo mesmo pessoal de São Paulo, e em Curitiba estavam chamando de Corrente Cultural, bem ali na Praça Riachuelo, fica o museu da cidade, que estava fechado devido aos eventos da Virada Cultural, não entendi muito bem, já que museu também é arte e cultura, nesta praça, em frente ao museu, aconteceram shows de Paulinho da Viola, e mais tarde quem estava por lá pode se deixar envolver pelo swing da nossa rainha da Black music, Sandra de Sá mostrou todo seu balanço, baixo e bateria são o peso do som da banda da Sandra. Bom o show do Roberto, bom esse mereceria um capítulo a parte, mas não, não vai acontecer, fui para lá principalmente por causa do rei e não posso dizer que gostei do que vi, o Roberto Carlos é sim um gentleman, e em minha opinião faltou consideração do pessoal da RPC com o público que foi la para ver o show, providenciaram uma área VIP para os funcionários e uma grade separava essa área "VIP" do grande público que se formou para assistir o show do Rei, nós que ficamos do lado de cá da grade, não vimos e não ouvimos quase nada, algumas músicas dava até pra cantar junto, mas principalmente quando o Roberto falava, não dava pra ouvir praticamente nada, perdi todos os detalhes da música "Detalhes", por exemplo. Entre *Regular, Bom e Ótimo* um *bom já fica de bom tamanho. Eu já tinha mudado minha passagem para o domingo a noite, então no domingo pela manhã vi uma banda curitibana chamada "Copacabana Club", essa parte do passeio no domingo foi bem legal, estava eu a caminhar pela feira de artesanato no Lago da Ordem, parei para ver um pessoal, um grupo de músicos tocando chorinho, muito legal sabe, o Flautista mandava bem para caramba, mas derrepente o som deles começou a ser abafado por uma bateria, que batia um grave muito forte, acompanhada do som de um baixo muito bem explorado, dava para ouvir que também tinha um som de guitarra bem apurado e eu percebi que vinha dali de cima, próximo da onde eu estava, fui me encaminhando até lá para ver do que se tratava, meio de cara, já que eu estava gostando do chorinho, mas ao chegar lá, não quis mais chorar, a vocalista bem performática me chamou a atenção e eu fiquei por lá curtindo o som desta banda, que me levantou o astral com um som pesado Rock N'Roll, bateria, Baixo, Guitarra e alguns outros adereços, que compõem muito bem com o vocal tanto da menina, que me pareceu ser a principal vocalista e líder da banda quanto do guitarrista que também assumiu o vocal em algumas músicas, detalhe interessante, me lembro de ter visto muitas bandas tocando aqui em Maringá, Flor Da Pele, Detroit e algumas outras, o inglês era sempre muito ruim, mais puxado para o famoso "embromation" mesmo, a galerinha da banda Copacabana Club não tem esse problema, o inglês deles é muito bom e pelo que pude perceber, da vocalista, até sabem o que estão cantando. Após o almoço tive o prazer de ver a alegria contagiante da apresentação da sambista "Marti'Nália", filha do Martinho da Vila, sabe aquela de que filho de peixe, nem sempre funciona né, bom, neste caso, não há como negar a raiz. Depois às 15hs foi a vez do Tremendão que já está um tanto cansadão, o Show do Erasmo também foi bem legal, gostei muito, o swing da jovem guarda continua lá, os músicos da banda dele são ótimos e claro com toda a experiência que ele tem, poucos percebem o quanto ele já perdeu de potência na voz quando a apresentação é ao vivo, enfim, meu fim de semana foi ótimo, só não foi melhor por que não tinha como ser, Curitiba é uma cidade cheia de coisas para fazer e lugares para conhecer, Curitiba é uma cidade onde a cultura acontece e por lá, quem gosta se enlouquece, sempre tem alguma coisa boa acontecendo, ano que vem tem mais Virada Cultural, e eu já to planejando desde já, Eu quero ir pra lá, oh yeh, é lá que eu quero morar...

4 comentários:

Alan... disse...

Bicho, se tu tivesse me falado que ia pra Curitiba num final de semana eu iria te recomendar a Feirinha do Largo da Ordem, hehehe.

Lugarzinho bacana pra passear e se distrair.

André Fonceca disse...

Pois é Alan, eu estive lá, só agora que me surgiu a dúvida, se estou certo quanto ao nome do local...
foi lá q eu vi o pessoal chorando e dpois a galera da banda Copacabana Club tocando mto rock n' roll

Alan... disse...

Então, foi lá mesmo cara, tava conferindo aqui na programação da virada cultural.

Aliás, muita coisa bacana na programação deles hein, Terminal Guadalupe, Banda Blindagem.

E meu, que inveja cara, tu viu Copacabana Club porra, o som deles é muito bacana.

Anônimo disse...

Gostei do texto, já morei em ctba. Abraços
MALU